6 de fev de 2009

Dos velozes e furiosos e das farpas no pé...

Tantas coisas mudam no decorrer de 24 horas, que só posso pensar que o tempo é na verdade um grande autor mimado. Um dia de paz com tantos eventos. Acordei depois de uma noite de muitos, muitos, mas muitos pensamentos. Dormi bem apesar disso, como a muito tempo não dormia. Telefonema, um atraso em consequência de uma troca saudável de idéias. Reunião com a chefia, boas notícias, visitas à "patrocinadores" rsrsrs. Um suco a convite inesperado. Ensaio com alunos. Um dos pupilos enfiou uma farpa no pé no meio do aquecimento que mais parecia um prego de tão grande. Tive que pegar o carro dele, e depois de 1 ano sem encostar num volante tive que dirigir pra levá-lo ao hospital. Além de ter ficado muito nervosa com a dor e o estado do pé do pupilo, vi que estou uma típica péssima de roda, porque "ruim de roda" seria uma expressão muito delicada até. Algumas horas no hospital. Uma micro-cirugia pra tirar a farpa que era muito grande e grossa. Volta ao teatro (eu no volante, fazendo altas cagadas na hora de estacionar), ensaio corrido e com tempo curto. Mas um dia divertido, imprevisível. E dessa vez não ficou como uma miragem. Vivi o dia, com toda a falta de controle de alguém que está aprendendo a aproveitar as pequenas coisas. E sinceramente, é muito mais gostoso assim. De alma aquietada, tranquila, em paz. Paz interior. A tanto tempo não sabia o que era isso... De coração vazio, sem ninguém em mente, não ficando com ninguém, sem nenhuma história mal resolvida, não interessada em ninguém. Paz no coração também. E é bom sentir isso, e que seja eterno enquanto dure...