24 de mar de 2010

De Pedro

Cada movimento, cada chute é um sorriso. Os primeiros sorrisos destinados à vida. A vida que começa, que ganha pulso, força, cadência e por que não consciência? O mais lindo são os movimentos quando falo com ele. Sei que ele me escuta, e ele sabe que o escuto. Nos falamos e sentimos todo o dia, o dia todo. Ele sabe de mim, e eu tento saber dele. Trocamos amor e ar o dia inteiro. Ele sente e sabe. Ele já sente e já sabe. Sabemos unicamente de amor. Meu melhor companheiro, amigo, presente. Essa criaturinha cheia de luz que me preenche de todos os jeitos, e que mais do que nunca, sempre me lembra, entre um chute e outro, que a vida mora em mim. Tenho todo o dia um milagre acontecendo aqui dentro. Deus agindo nas minhas entranhas. Somos um do outro, não só por cordões, mas por puramente amor.

Como ocorre com o poema
tem seu passaporte carimbado para todos os estados
de minha alma, de meu espírito
Você que é onírico, sábio vassalo
Me tiraniza e perde a fala, o fôlego, o faro
Me organiza e ganha o futuro
e ainda segura o jogo duro de viver independente de minha respiração
Espião de meus bastidores
Olhou minhas entranhas enquanto virava ser humano
quieto dentro de mim como as palavras antes de serem poesia...
(Elisa Lucinda)