29 de jan de 2009

Das férias

Não aguento mais férias! Elas me fazem deixar de ganhar dinheiro, pensar mais do que de costume e comer exageradamente, principalmente nos últimos 5 dias. Quinta-feira. Menstruada, dura, acordei tarde, recebi minha prima (o que salvou a tarde), tentei ver um filme da sessão da tarde, acabei dormindo até a noite, acordei, comi, comi, comi muito e continuava com uma ansiedade no peito. Pensava no ex, senti saudade de ter alguém pra dormir abraçado e olhar descansadamente nos olhos. Pensava no sumiço do futuro-possível-quem-sabe-um dia-ex-namorado, tentava entender o que deu errado ou o que faltou pra um desinteresse tão repentino. Não cheguei a nenhuma conclusão, a não ser o famoso, comodista e anestesiante: "não era pra ser". Eu até queria que fosse, mas já abstrai. Fiquei feliz por saber que o ex tá se realizando profissionalmente. Senti saudade, entre outras coisas, da minha ex-sogra, que por determinação machista do meu ex-sogro (e por vontade própria também) não fala mais comigo. Pensei na falta de dinheiro e nas contas vencendo, nos trabalhos que não aparecem, e na falta de energia pra buscar outros trabalhos. Sentei no computador, respondi e-mails e scraps. Bati um papo com meu melhor amigo, que me falou verdades que eu precisava ouvir. Descobri mais coisas que preciso modificar. Falei com a minha irmã de Porto Alegre, ela disse que me amava. Ela nunca me disso isso. Fiquei mais feliz. O dia passou rápido, bem debaixo dos meus olhos, como uma miragem que eu não pude viver, como se eu não fosse capaz de tocá-lo.

Amanhã vou fazer diferente! Vou caminhar, meditar, estudar, ler um pouco, adiantar umas coisas, me centrar na dieta, fazer a unha... Mentira! Vou continuar esperando... o que exatamente? Nem eu sei. Talvez eu apenas goste de me deixar corroer pelo tempo.