27 de mar de 2009

De Nietzsche

Amanheci bem, apesar da auto-cobrança pra não perder a desconfiança e malícia, tão duramente conquistadas. Anoiteci "Nietzschiana" (sou louca por ele), com um pitada de ironia introvertida. A idéia de desilusão pra algumas pessoas é tão nata, que a abstração chamada esperança soa como um prolongamento opcional do sofrimento.
Existem coisas que só se pode conceitualizar aos 23: hoje no meio de umas compras, percebi que uma mulher, pelo menos uma kiwi, está efetivamente interessada num homem quando passa a gastar mais com roupas de baixo do que com roupas de cima. Quanto a definição de pessoas Kiwis, ainda é uma tese sendo finalizada em parceria.

"A vida vai ficando cada vez mais dura perto do topo."

"Temos a arte para não morrer da verdade."

"É pelas próprias virtudes que se é mais bem castigado."

"Um homem de génio é insuportável se, além disso, não possuir pelo menos duas outras qualidades: gratidão e asseio."

"É necessário ter o caos cá dentro para gerar uma estrela."

"Só se pode alcançar um grande êxito quando nos mantemos fiéis a nós mesmos."

"Querer a verdade é confessar-se incapaz de a criar."

"A mulher aprende a odiar na medida em que desaprende - de encantar."

"Até Deus tem um inferno: é o seu amor pelos homens."

"Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade."

"Odeio quem me rouba a solidão, sem em troca me oferecer verdadeiramente companhia."

(Nietzsche)