14 de abr de 2011

Da "empapelagem" ou "empapelamento"

Fiquei com a bunda na cadeira de 17 às 20h colando pedacinhos de jornal numa cabeça de boneco numa aula da UNIRIO, com um professor pé no saco. Ontem fiquei sabendo que um professor que havia me liberado pra fazer matéria a distância quer minha presença uma vez por semana. Não tenho saco pra filmes cult, nem livros significativos, nem música boa. Pensar tem cansado. Perde-se tanto tempo com bobagens importantes. Tô no lugar da resistência, como diria minha colega de classe. Cú doce hoje em dia é tão normal? O que havia de mim tem se esgotado, e nem quero usar o que sobrou.